Descolamento de Retina: o que é, causas, sintomas e tratamento

25 de outubro de 2017

Descolamento de RetinaO Descolamento de Retina é uma doença oftalmológica que surge em aproximadamente 1 a cada 10.000 indivíduos (ou seja, com uma incidência de 0,01% na população). O Descolamento de Retina pode trazer comprometimentos irreversíveis à visão, que são evitados ou amenizados quando atendido no início. Pacientes com histórico de descolamentos de Retina na família ou no outro olho, míopes com alto grau, vítimas de traumas recentes no olho ou face devem fazer consultas periódicas até que o risco se afaste ou o problema seja resolvido.

Nesse artigo, conheça mais sobre esta rara porém importante condição oftalmológica, o que ela é, quais os seus sintomas e como é feito o seu diagnóstico e tratamento.

O que é o Descolamento de Retina?

A Retina é uma membrana transparente que recobre internamente todo o globo ocular. Ela é a responsável por captar esse estímulo luminoso através dos seus vários fotorreceptores (tipos especiais de neurônios, especializados em captar este estímulo) e transmitir as informações recebidas para o nervo óptico, que irá até o cérebro, capaz de interpretar os estímulos e formar as imagens.

A nossa Retina pode ser dividida em duas camadas:

  1. O epitélio pigmentar da Retina;
  2. A porção neurossensorial (composta pelos fotorreceptores como cones e bastonetes, entre outras células), mais interna.

O Descolamento de Retina ocorre quando há a separação dessas duas camadas da Retina, por algum motivo.

Tipos de Descolamento de Retina

De acordo com o mecanismo que leva à separação dessas duas porções da Retina, podemos classificar o Descolamento de Retina em três tipos principais:

  • Descolamento de Retina Regmatogênico: é o tipo mais comum da doença. Neste caso, há a lesão de uma porção da Retina que permite que o Vítreo, uma substância gelatinosa entre o Cristalino e a Retina, invada a porção entre o epitélio pigmentar e a porção neurossensorial retiniana.
  • Descolamento de Retina Tracional: este tipo de Descolamento é ocasionado pela formação de algum tipo de membrana na superfície da Retina ou do Vítreo. Essas membranas ocupam espaço na região e empurram (tracionam) a porção neurossensorial da Retina, separando-a do epitélio pigmentar.
  • Descolamento de Retina Exsudativo ou Seroso: nestes casos, o Descolamento ocorre por conta do acúmulo de líquido subretiniano, oriundo de algum processo inflamatório ou tumoral.

O que causa Descolamento de Retina?

Existem fatores de risco conhecidos para o surgimento do tipo mais comum de Descolamento da Retina, o Regmatogênico:

  • Miopia de alto grau (também conhecida como Miopia patológica ou progressiva): costuma ser uma Miopia superior a 6.00 D (6 graus).
  • Portadores da chamada degeneração em lattice da Retina: um afinamento da camada da Retina, que a torna suscetível ao Descolamento.
  • Traumas oculares.
  • Pessoas que se submeteram a cirurgias intraoculares.
  • Pacientes que já apresentam lacerações da Retina.
  • História prévia de um Descolamento de Retina.
  • História familiar positiva para Descolamento de Retina.

Portadores de um ou mais destes fatores de risco devem realizar o controle anual da condição, através do Exame de Fundo de Olho com a dilatação pupilar, anualmente. Dessa forma, será acompanhar a evolução do problema ou detectar um descolamento em seus estágios iniciais.

As causas do Descolamento Tracional da Retina incluem qualquer tipo de retinopatia proliferativa, tais como a Retinopatia Diabética, a anemia falciforme ou outras doenças que levam à proliferação de neovasos na Retina.

Em condições normais, o líquido existente na cavidade do Vítreo flui em direção à Coroide, uma porção de vasos sanguíneos localizados à frente da Retina. Qualquer condição que leve ao aumento da produção desse líquido ou que impeça o seu escoamento pode predispor ao Descolamento Exsudativo ou Seroso da Retina. Processos inflamatórios como a Sarcoidose ou tumores na região são algumas das causas desse tipo de Descolamento.

Sintomas do Descolamento de Retina

Os principais sintomas da doença incluem:

  • A perda ou piora súbita da visão, que pode ser periférica, central ou em qualquer outro ponto do campo visual, dependendo de qual porção da Retina está descolada;
  • A percepção de flashes ou faíscas súbitas de luz, principalmente ao movimentar a cabeça e/ou os olhos e mais fácil de perceber quando olhando para algo escuro;
  • O aumento súbito de moscas volantes (pontos – ou elementos de outros formatos – escuros que flutuam e se movem no campo de visão).

A dor ocular não costuma ser um sintoma do Descolamento de Retina.

Diagnóstico

Para realizar o diagnóstico do Descolamento de Retina, seu médico oftalmologista irá inicialmente colher dados importantes sobre a história de evolução dos seus sintomas,

doenças oculares ou sistêmicas pré-existentes, dentre outros detalhes.

Além destes dados, seu oftalmologista realizará uma série de exames:

  • Acuidade visual, exame da pupila, teste de campo visual e medida da Pressão Intraocular (PIO);
  • Mapeamento de Retina: feito sob dilatação de pupilas, é um dos exames mais importantes, que será capaz de detectar a área da Retina que encontra-se elevada por conta do Descolamento;
  • Avaliação do Vítreo, em busca de alterações como hemorragias ou pigmentos.

Na maior parte dos casos, apenas esses simples exames já são capazes de detectar o Descolamento. Em casos específicos, pode ser necessário ou valioso avaliar o quadro por meio de exames adicionais, como a Tomografia de Coerência Óptica (OCT), a Ultrassonografia e até mesmo a Angiografia com Fluoresceína.

Descolamento de Retina causa cegueira?

O Descolamento de Retina é um problema sério que, se não tratado pode (e costuma) levar à cegueira. É importante notar que essa doença não necessariamente ocorre de maneira súbita: o Descolamento pode progredir ao longo de semanas, não causando sintomas visuais tão súbitos, mas sempre evoluindo em intensidade.

Porém, nem todo Descolamento de Retina leva à cegueira. Tudo vai depender de fatores como:

  • O local da Retina acometido;
  • A extensão do Descolamento;
  • O tempo decorrido entre o surgimento do problema e o seu tratamento.

Tratamento

O Descolamento de Retina mais comum é causado por um buraco na Retina, que permite a entrada de líquido do interior do globo ocular por esta porta de entrada, fazendo com que a Retina se descole das paredes internas do globo ocular.

Laser: Aplicações de Laser de Argônio feitas no consultório são capaz de bloquear o buraco na Retina, impedindo a progressão do descolamento na sua fase inicial.

Gás: alguns tipos de Descolamento de Retina podem ser tratados com a injeção na cavidade vítrea de um gás expansivo, que tem por objetivo fazer com que a Retina descolada volte à sua posição original, permitindo que disparos de Laser de Argônio bloqueiem o buraco de entrada de líquidos.

Vitrectomia: Este procedimento é o mais comumente utilizado para o tratamento dos descolamentos. Na Vitrectomia é realizada a remoção do Vítreo (gelatina que preenche a parte de trás do globo ocular), reposicionando a Retina. É também realizado o uso do laser para bloquear o buraco existente.

Implantes de Silicone (Introflexão Escleral): esta técnica de cirurgia é feita externamente ao olho e consiste na colocação de um dispositivo no local do buraco retiniano, que força a aproximação da retina ao seu epitélio pigmentar.

Em casos de Descolamento de Retina por processos patológicos subjacentes, como Retinopatia Diabética ou alterações inflamatórias como a Sarcoidose, além do Descolamento, a doença de base deverá ser tratada para que o problema não recidive.

Vale lembrar: o Descolamento de Retina é uma urgência oftalmológica e, como tal, o tratamento deve ser instituído o mais precocemente possível, a fim de evitar complicações adicionais. Se você mora em Curitiba e apresentar quaisquer sintomas visuais súbitos, você tem à disposição o IOC Agile, um pronto-atendimento oftalmológico que atende 24 horas por dia, 7 dias por semana (inclusive feriados), pronto para diagnosticar e tratar seu problema da melhor maneira possível.

Não é preciso agendar consulta: basta comparecer na Rua Brigadeiro Franco, nº 2848, com estacionamento no local.

Vamos agendar
a sua consulta?