C

Calázio

Lesão inflamatória crônica nas pálpebras durante a qual pode ocorrer o bloqueio dos orifícios das glândulas palpebrais meibomianas.

Canal Lacrimonasal

Canal que contém o ducto nasolacrimal. Também chamado de canal nasolacrimal.

Canal Óptico

Um canal ósseo, situado na pequena asa do osso esfenoide, onde passam o nervo óptico, a artéria oftálmica e os nervos simpáticos.

Canaliculite

Inflamação dos canalículos lacrimais.

Canalículo Lacrimal

São dois, superior e inferior. Estrutura anatômica das vias lacrimais, que se seguem aos pontos lacrimais. Encontram-se localizados na espessura do bordo livre palpebral.

Cápsula Tenon

Na anatomia, é chamada de Tenon uma estrutura fibrosa que cobre a membrana externa do olho ou da esclera.

Carúncula Lacrimal

Saliência avermelhada, no ângulo interno do canto palpebral nasal, correspondendo à glândula lacrimal acessória, cuja função é canalizar as lágrimas até o saco lacrimal.

Catarata

Condição que faz o cristalino, a lente natural do olho, ficar opaco. Essa perda da transparência vai dificultando a chegada da luz à retina e a visão vai diminuindo. O tratamento é cirúrgico: aspiração (técnica de facoemulsificação) de parte do conteúdo do cristalino e o implante, em seu lugar, de uma lente intraocular.

Catarata Congênita

São opacidades do cristalino, presentes ao nascimento. Resultam habitualmente de uma anomalia genética ou de uma fetopatia (por exemplo, infecção por rubéola).

Ceratite

Inflamação, infecção que afeta a córnea.

Ceratite Numular

Um dos sinais decorrentes de lesão por herpes ocular.

Ceratite ou Ceratopatia Bolhosa

Alteração que ocorre no endotélio corneano. Situação advinda de uma lesão ou trauma ocasionado por cirurgia intraocular.

Ceratocone

Do grego “cerato” = córnea e “konus” = cone. doença ocular não inflamatória, bilateral e progressiva do olho, que afeta o formato e a espessura corneana, provocando a percepção de imagens distorcidas e embaçadas. Inicia-se na puberdade e pode progredir até os 40 anos. Ocorre na proporção de um caso para 20.000 indivíduos, da população em geral. No Brasil o ceratocone principal causa de transplante de córnea. Apesar de suas causas ainda não serem totalmente determinadas, acredita-se estar associada a alergias, ao hábito de coçar os olhos constantemente e a fatores genéticos. A evolução do ceratocone é quase sempre progressiva, com o aumento do astigmatismo. Na sua fase inicial, o ceratocone apresenta-se como um astigmatismo irregular, levando o paciente a trocar o grau da correção do astigmatismo com muita frequência. Sintomas: o principal sintoma visão borrada e distorcida, tanto para longe quanto para perto. Alguns podem relatar diplopia (visão dupla) ou poliopia (percepção de várias imagens de um mesmo objeto). Necessidade de apertar os olhos e halos em torno das luzes, fotofobia (sensibilidade excessiva à luz) fazem parte das queixas dos pacientes com ceratocone. A coceira e atopia estão presentes em cerca de 20% dos casos. Até poucos anos atrás, o tratamento do ceratocone consistia na prescrição de óculos ou lentes de contato e quando estes métodos não surtiam mais efeito, o transplante de córnea seria a única solução possível. Atualmente, o ceratocone pode ser tratado por outras técnicas, como o implante de anel estromal ou por um procedimento chamado de Crosslinking, que utiliza o laser guiado por topógrafo.

Ceratoconjuntivite Flictenular

Habitualmente ocorre em crianças. Caracterizada por discretas áreas nodulares de inflamação da córnea ou conjuntiva (flictênulas).

Ceratoconjuntivite Seca

Conhecida como Síndrome do Olho Seco. Ocorrem alterações com o filme lacrimal, levando ao dessecamento (retirada da umidade) da córnea e conjuntiva.

Ceratoglobo

Ceratocone induzido por Lasik (ceratoectasias).

Ceratometria

Exame oftalmológico usado para medir a curvatura da superfície anterior da córnea.

Ceratopatia Calcificada em Banda

Depósitos de sais de cálcio no espaço subepitelial e na frente da membrana de Bowman. Mais comuns em casos de insuficiência renal crônica.

Ceratoplastia

Implantação cirúrgica de córnea doadora para modificar o erro refrativo da córnea. Na ceratoplastia, uma “fatia da córnea” do doador é moldada para uma curvatura e é inserida entre camadas de córnea do destinatário, a pessoa que está sendo transplantada.

Ceratotomia Radial

Técnica antiga de cirurgia refrativa para a correção da miopia. Consistia em fazer incisões radiais na córnea com o objetivo de aplanar a sua área central e, desta forma, corrigir a miopia e o astigmatismo.

Ciclite

Inflamação do corpo ciliar.

Ciclopia

Fusão mais ou menos completa dos 2 olhos sobre a linha mediana, com uma órbita única.

Cicloplegia

Paralisia dos músculos ciliares resultando em perda da faculdade da acomodação. A cicloplegia pode ser induzida no consultório por gotas de colírio, quando se quer realizar uma refração sem interferência da musculatura de acomodação.

Cirurgia Refrativa

Operação destinada a corrigir as anomalias de refração: miopia, hipermetropia, astigmatismo e presbiopia.

Colomba da Íris

Malformação popularmente conhecida como “síndrome dos olhos de gato”, ocorre na íris e geralmente é congênita.

Concomitante (Esotropia)

Situação clínica em que o ângulo do desvio é constante em todas as direções do olhar.

Conjuntiva

Membrana que reveste a esclera (porção bulbar) e as pálpebras (porção tarsal).

Conjuntivite Alérgica

Conjunto de reações alérgicas que acometem os olhos ou estruturas próximas aos olhos. Os sintomas mais comuns são: olhos vermelhos, prurido (coceira), lacrimejamento, ardência nos olhos, fotofobia (sensibilidade exagerada à luz) e edema (inchaço) nas pálpebras.

Conjuntivite Lenhosa

Forma específica e rara de conjuntivite cuja característica principal formação de membranas inflamatórias na conjuntiva tarsal. Normalmente a conjuntivite lenhosa aparece na infância com quadros de conjuntivite intensos e repetidos.

Convergência

Quando os dois olhos convergem (olham) para dentro.

Corectopia

Anomalia da posição da pupila. Associa-se frequentemente às ectopias do cristalino.

Coriorretinite

Inflamação da coroide.

Córnea

Tecido transparente, fino e resistente localizado na parte anterior do olho. Em condições normais, deve ser transparente, para que a luz que atinge o olho possa entrar.Também funciona como um meio óptico, por fazer os raios luminosos serem refratados, de modo que o foco se faça, idealmente, no plano da retina. Por isso, grande parte da chamada cirurgia refrativa se faz ao nível da córnea, tentando modificar sua curvatura.

Córnea Plana

Deformidade congênita hereditária extremamente rara de superfície do olho, que leva à diminuição acentuada da curvatura corneana.

Coroide

Segunda porção da úvea, limitada à frente, pelo corpo ciliar. Situada entre a esclera e a retina é responsável pela vascularização externa da retina, regulação térmica, trocas líquidas e metabólicas, manutenção de aderências retinianas e função imunitária.

Coroideremia

Doença hereditária rara que causa perda progressiva da visão devido à degeneração da retina e coroide.

Corpo Ciliar

Porção intermediária da úvea, atrás da íris, à frente da coroide. É responsável pela formação do humor aquoso, importante para a nutrição do segmento anterior e regulador da pressão intraocular. Além disso, contém o músculo ciliar, que, ao se contrair, relaxa a tensão das fibras da zônula e possibilita a acomodação.

Correção Óptica

Recursos – óculos, lentes de contato, cirurgias por laser ou refrativas, implantes de lentes intraoculares após uma cirurgia de catarata. São maneiras que utilizamos para compensar as anomalias de refração, permitindo a visão nítida e confortável.

Correspondência Retiniana

Base geométrica na qual assenta a visão binocular. A não correspondência dos elementos retinianos geram a diplopia, ou visão dupla com um único objeto no espaço, que é percebido como duas direções visuais subjetivas.

Cover Test

O mesmo que teste de cobertura: quando se cobre um dos olhos, e se tem o outro olho fixo num ponto equidistante, se ele tem tendência a se desviar, entra em desvio, atrás da cobertura. Quando descoberto, olho pode se comportar de duas maneiras: 1. aparecer desviado e permanece assim 2.mover-se para a posição correta, recuperando o alinhamento. Com este teste, é possível descobrir desvios que habitualmente ficam latentes. Tem ainda outras aplicações e permite identificar outros diversos tipos de estrabismos.

Criptoftalmia

Malformação congênita dos globos oculares; falta do globo ocular; criptofalmo.

Crise Glaucomatocíclica

Também chamada de Síndrome Posner Schlossman, pode ser definida como uma uveíte hipertensiva unilateral. doença que ocorre em adultos jovens, caracterizada por sintomas relacionados a hipertensão ocular. Ocorre um aumento repentino da pressão intraocular e ataques recorrentes relacionados; também pode estar relacionada a situações de estresse.

Cristalino

Uma lente biconvexa, avascular e transparente. Representa 1/3 do valor dióptrico ocular total. O cristalino está localizado atrás da íris – a parte colorida dos olhos – e suspenso ao corpo ciliar por intermédio da zônula. O cristalino é bastante elástico e ajuda a focalizar objetos em diferentes distâncias, até perder a capacidade da acomodação. A perda da transparência do cristalino é conhecida como catarata.

Cromatopsia

Defeito de visão em que várias cores, como por exemplo, o amarelo, o vermelho e o azul são incorretamente percebidas.

Vamos agendar
a sua consulta?