D

Dacrioadenite

Afecção inflamatória das glândulas lacrimais. Podem ser agudas ou crônicas. A dacrioadenite aguda é ocasionada na maioria das vezes por uma infecção viral ou bacteriana. A dacrioadenite crônica já não tem como causa principal a infecciosa.

Dacriocelo ou Dacriocistocelo

Anomalia congênita pouco frequente. coleção de líquido amniótico ou muco no saco lacrimal, devido à imperfuração das válvulas de Hasner e Rosenmuller. Pode ser unilateral ou bilateral. Este cisto do saco lacrimal associa-se à obstrução do sistema de drenagem.

Dacriocistite

Inflamação do saco lacrimal.

Dacriocistografia

Avaliação radiológica do sistema excretor lacrimal, para localizar o ponto exato da obstrução.

Dacriomegalia

Aumento do volume da glândula lacrimal.

Defeito Pupilar Aferente

A pupila de um olho com diminuição de visão devido a doença da retina ou do nervo óptico tem como característica não reagir à luz quando um feixe luminoso incide nela, mas se contrai consensualmente quando o olho saudável é estimulado.

Degeneração da Córnea

Deterioração de um tecido corneano previamente normal.

Dellen

Estreitamento da córnea, próximo a uma elevação ou proeminência da conjuntiva bulbar.

Dermatocalázio

Redundância de pele da pálpebra, acompanhada ou não de hérnia de gordura na órbita. Apresenta-se como um excesso cutâneo pré-septal caindo sobre o bordo livre palpebral.

Descolamento da Retina

Quadro em que não existe junção celular entre o epitélio pigmentado e o artículo externo dos fotorreceptores fazendo com que a retina se desloque da sua inserção, permitindo a entrada de líquidos subretinianos. Necessita de tratamento cirúrgico, com laser ou cirurgia, se não tratado pode evoluir nos casos graves à cegueira.

Desequilíbrio Oculomotor

Ausência de ortoforia, acompanhada de sinais clínicos.

Desvio Alternante

Aquele em que o paciente ora desvia o olho direito, ora o esquerdo.

Desvio Constante

Desvio ocular que se manifesta permanentemente.

Desvio Convergente

O mesmo que endodesvio ou esodesvio. Um ou ambos os olhos aparece(m) desviado(s) para o nariz, ainda que olhando para longe (quando deviam estar paralelos). Podem ser endotropia (ou esotropia) se manifesto, ou endoforia (ou esoforia), se latente.

Desvio Divergente

O mesmo que exodesvio. Um, ou ambos os olhos, aparece (m) desviado(s) para a(s) orelha(s), ainda que olhando para perto (quando deveriam estar convergentes). Podem ser exotropia, se manifesto, ou exoforia, se latente.

Desvio Intermitente

Desvio que só aparece esporadicamente. Enquanto manifesto, é tropia. Nos momentos em que fica escondido e pode ser descoberto, no cover test, é foria. Uma variante do intermitente é o CÍCLICO, que aparece e desaparece em intervalos bastante regulares.

Desvio Latente

O mesmo que foria. perda do alinhamento que não aparece de imediato, na inspeção ou fotografia do rosto de uma pessoa. Para se tornar visível tem que ser provocado pelo chamado cover test, ou teste de cobertura.

Desvio Manifesto

Um, ou ambos os olhos, aparece(m) fora do alinhamento, à simples inspeção ou fotografia do rosto de uma pessoa. Também é conhecido como estrabismo, tropia, ou, na linguagem comum, “vesguice”.

Desvio Monocular

Aquele em que sempre é o mesmo olho que aparece desviado, seja fora ou tropia.

Desvios Oculares

Perda do alinhamento dos olhos. Podem ser classificados por diversos critérios: visibilidade: manifesto ou latente; direção horizontal: convergente ou divergente; desvios verticais, duração: constante ou intermitente e olho fixador.

Desvios Torcionais

O mesmo que ciclodesvios. Tomamos como referência o meridiano vertical da córnea (90º). Se o olho gira e este meridiano se inclina para o nariz = inciclodesvios. Se o olho gira e o meridiano se inclina para o lado da orelha = exciclodesvios.

Desvios Verticais

Enquanto um dos olhos está fixando, o outro aparece desviado: para cima = hiperdesvio; para baixo = hipodesvio.

Dioptria

Unidade de medida das lentes. Na linguagem comum é chamada impropriamente de “grau”.

Diplopia

Percepção dupla da imagem de um mesmo objeto. É sintoma de que um dos olhos está desviado, mesmo que o desvio não apareça logo em uma inspeção simples.

Disco Plácido

Disco constituído por uma série de discos concêntricos, alternativamente brancos e pretos. Destina-se ao despiste de deformações corneanas.

Discoria

Caracteriza-se por uma pupila em forma de fenda.

Distiquíase

Fila supranumerária de cílios, atrás da fila normal, localizada junto ao orifício das glândulas Meibomius. anomalia congênita, por vezes hereditária.

Distrofias Córneas

São devidas a uma anomalia de desenvolvimento do tecido corneano.

Divergência

Os dois olhos olham para fora.

Divergência Vertical

Positiva ou negativa, conforme um ou outro olho olha para cima.

Doença de Eales

Patologia caracterizada por uma perivasculite obliterante. Surgem hemorragias vítreas e retinianas recorrentes. Associação com obstipação e epistaxe.

Ducção

movimento monocular, ou seja, um movimento executado só por um olho.

Ducção Forçada

Utilizada para avaliar se um determinado desvio ocular é secundário ou não à obstrução mecânica. O olho é movimentado através da aplicação de uma pinça na conjuntiva e episclera junto ao limbo esclerocorneano.

Vamos agendar
a sua consulta?